Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

Aproveite o verão...

Olhos nos olhos. Desde criança brincávamos para ver quem piscava primeiro. Dessa vez seria para decidir quem piscaria pela última vez.
Olhos nos olhos...

Emílio viajou para a Rússia, foi visitar e ajudar seu amigo Yerik que estava sendo acusado de um crime, que segundo ele, não cometeu. Emílio é advogado e desde pequeno era o juiz das brigas e dos desentendimentos que presenciasse. Muito esperto, na escola costumava salvar os colegas que fossem perseguidos pelos encrenqueiros. Dessa forma tornou-se amigo de Yerik, quando o defendeu de três garotos mais velhos que não gostavam do estrangeiro ruivo e raquítico.

- Primeiro dia - Kuzbass
Cheguei em Kemerovo e antes de visitar 'Yek' fui até o Instituto Kuzbass de Economia e Justiça para entender melhor como poderia ajudar meu amigo, de acordo com as leis russas. Lá encontrei meu guia, Gustav, um colega de trabalho de Yek, que me ajudou com as traduções e me encaminhou para os lugares certos na biblioteca do instituto. Por mais tensa que fosse a situação de Yek, Gustav estava muito inquieto e isso deixou-me bastante desconfiado, devido ao histórico de amizades de Yek depois que mudou-se para cá. Com isso em mente, peguei tudo o que precisava o mais rápido possível e pedi ao guia para me levar a um hotel onde eu pudesse ficar tranquilo para estudar, e que fosse atendido em inglês para não incomodá-lo mais por um tempo.

- Primeiro dia - Noite no hotel
A família de Yek já havia me passado os documentos sobre a investigação do crime, que vim estudado durante o voo. A lei russa é muito abrangente e deixa várias brechas das quais eu poderia utilizar para tirar todas as acusações de estupro e tráfico de drogas. Na ficha de Yerik também encontrei que ele foi encontrado bêbado e nu, rindo muito e gritando que havia matado uma pessoa nas ruas do centro da cidade. Isso me fez lembrar dos olhos amarelos e dissimulados de Gustav. Estudei a minha proposta de defesa e fui dormir, agora era só esperar o contato de Yerik.

- Segundo dia - Parque das Maravilhas
Como não recebi nenhum recado de Gustav ou Yek, fui conhecer mais da cidade. No hotel, fui indicado a visitar o Parque das Maravilhas, um dos mais famosos da cidade e o orgulho dos cidadãos, era um terreno baldio até que à partir de 1926 foi sendo transformado no jardim da cidade de Kemerovo. É lindo e com muitos cafés e lojas, que eu aproveitei bastante para comprar souvenires para entregar aos meus amigos quando voltar. Agradeci por ser verão.
A noite fui assistir à uma peça de teatro no "Drama Theatre", conhecendo melhor o teatro russo, tão aclamado e famoso. Assisti uma peça juvenil: Наташина мечта - Sonho de Natasha.
Depois de um jantar maravilhoso sob a luz das estrelas no restaurante "Piter", desmaiei feliz no hotel.

- Terceiro dia - Encontro com Yerik
Acordei e havia um bilhete de Yek embaixo da porta. Achei bastante imprudente. Como estava desacostumado com o fuso horário, no bilhete havia o horário do encontro também no fuso de Londres. Deveria me encontrar com ele em um café chamado "Кофе-Терра". Gustav já deveria estar chegando para me levar até lá.
Quando chegamos, avistei aqueles cabelos ruivos, sempre muito bem penteados, de um rapaz franzino vestido de preto, sentado de costas para a calçada. Depois que entrei, dois homens trancaram as portas e fecharam as cortinas enquanto os funcionários deixaram duas xícaras de café na mesa de Yerik. Gustav deu um tapinha nas minhas costas encorajando-me a sentar e também saiu.
Olhos nos olhos, e o silêncio que explodiu no café me deixava nervoso. Entre eu e meu melhor amigo estavam alguns crimes e a fumaça que subia da xícara. Não estávamos brincando de quem piscaria primeiro e eu não sabia se deveria falar alguma coisa. Um medo crescente tomou conta de mim.

- Últimas imagens...
Um carro parou à porta do estabelecimento, portas se abriram.
Yerik desviou o olhar.
"Огорченный".

Gustav: Ele não vai mais poder te ajudar.
Yerik: Já ajudou... Соболезнования.

Desculpe.
Meus pêsames.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente. Há um mar de pensamentos e você pode pescar um peixe que ninguém mais conhece. Assim são as palavras no mar do Umikizu!