Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

Sem assunto...

Sem texto... Sem nada pra falar.
Não é que não tenha, só não sei como começar.
É estranho, tantas pessoas e tanta gente diferente, interessante, mas não consigo me conectar.
O que falta? Será que não sobra demais assunto de menos? Ou talvez seja que o santo não bate mesmo. E a admiração seja só platônica, irreal.

Sem saber dizer palavra, começar uma frase é um sacrifício infernal, explorar suas dificuldades, dizem, é o ideal, mesmo que seja pesaroso, vai melhorar no final. Mas só no final, e o final todo mundo sabe, é imprevisível.

Invisível. Relações não são de igual pra igual, enquanto eu sou diferente de todos e de tudo. Tudo é demais. Eu sou um apanhado do todo, misturado e sovado até ficar homogêneo, assando no Sol de São Paulo até chegar no ponto! Humm! Que cheiro gostoso!! Será que tá bom? Espeta com o garfo, quem sabe ainda não está crú no meio?

E estava bem crú, cozido pela metade, incompleto e sem sal. Ah quem me dera houvesse um fogo ardendo aqui dentro também, pra então coser tudo por igual. Quem dera fosse só uma corrente de ar que fez do tempo um vilão muito mal. Talvez fosse apenas uma memória ruim e que no final tudo ficaria bem, com chá de limão e biscoito integral. Só pra deixar a tarde mais interessante com você no quintal...

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente. Há um mar de pensamentos e você pode pescar um peixe que ninguém mais conhece. Assim são as palavras no mar do Umikizu!