Escolha uma palavra e deixe o Umikizu falar sobre isso...

Sense8 e a vida real...

Aviso aos navegantes: não contém spoilers da série.

Sense8 ou Sensate, aborda a vida de 8 jovens que tem um contato extrassensorial um com o outro, sabem seus pensamentos e podem ajudar uns aos outros com suas habilidades únicas. Afinal de contas eles são sensitivos o suficiente para isso e podem conversar, se tocar e se relacionar através da mente. A série é escrita pelos irmãos Wachowski (criadores de Matrix e produtores de A Viagem) e por J. Michael Straczynski (Babylon 5 e Thor) só aí já dá pra saber que tem uma carga espiritual na trama que transborda, muito mais potente e cotidiana que Matrix. Muito mais contemporânea e presente que tudo que já vi até hoje.

Sensate é uma homenagem aos sensitivos e às pessoas que conseguem se comunicar com outras pessoas aqui no plano material e com espíritos no plano etéreo. E é uma honra e uma felicidade que finalmente sejamos representados de maneira simples, direta e bela. Eu como sensitivo, fico feliz e muito tranquilo em dizer, agora que terminei de assistir toda a primeira temporada, que é uma série que me representa e mostra na vida real o que é ser sensitivo, óbvio que com recursos palpáveis que só a ficção pode proporcionar. E não é nada extremamente absurdo. Não é nada paranormal, é simplesmente a conexão que você consegue estabelecer com o outro, com uma energia e com os planos da existência na prática.

Quando assisti o primeiro episódio não consegui me identificar de cara com a série, não entendi a proposta e achei tudo muito bagunçado, mas quando finalmente assistir o segundo episódio, que acontece em outro ritmo, sem correria para mostrar todos os 8 personagens e contando um pouco melhor a história, mergulhei num mundo conhecido, onde eu pude me reconhecer e me identificar prontamente com o que acontecia. Foi uma das melhores experiências espirituais proporcionada por uma série de TV. Honesta em dizer: nós estamos exagerando um pouco nas sensações, nas aparições, na prática nada é tão fácil assim, mas é o mais próximo que conseguimos chegar em uma série de televisão, que tem que deixar palpável para quem não sabe do que se trata, que tem que seguir algumas regras de trama, mistério e conflitos para poder vender, mas nós respeitamos o quanto pudemos o seu mundo e as suas reais sensações.
Agradeço todas as pessoas envolvidas com a série, desde os idealizadores aos realizadores, atores e toda equipe que faz o trabalho de ter esse cuidado e respeito.

Na vida real, ser sensitivo não é se ligar apenas ao seu grupo, não é ser ligado às pessoas que nasceram no mesmo dia e hora que você. Na vida real, os sensitivos se conectam com todo mundo ao seu redor. E isso quer dizer perto ou longe, acredite. Algumas vezes, a conexão acontece como na série, sem a gente querer, nos colocando em situações complicadas. Muitas vezes não é possível controlar e, mesmo que você não veja alguém aparecer nitidamente na sua frente do nada, a presença, a voz e as sensações são tão ou mais reais que a visão e isso é sublime e assustador ao mesmo tempo. Você é capaz de conectar-se com catástrofes acontecendo no mundo em tempo real, com pessoas sofrendo em um país em guerra ou com uma criança correndo feliz por estar brincando no parque com seu cachorro. Muitas vezes você não sabe explicar, mas você entende o que está acontecendo e porque está ali, faz o que deve ser feito, mesmo que isso signifique ter que fingir estar dormindo na sala de aula, fingir ser louco falando sozinho, precisar passar um tempo grande no banheiro no trabalho e também, especialmente, sentir a necessidade de ficar um tempo sozinho. Ter um tempo só seu e em silêncio, para conseguir se recuperar.

Então para quem assistiu Sense8 e não se identificou, não gostou ou achou uma grande viagem (mais viagem que Matrix que tem tiro, porrada e bomba) acredite que essa série é importante para muita gente, pessoas que estão próximas e você nunca saberá que são sensitivas ou que tem esse tipo de conexão com o resto do mundo. Por favor entenda que nem tudo é para todos, mas que sempre há alguém que precisa do diferente, tão diferente pra você, mas que finalmente é algo com o qual ela possa se identificar.

Paz, luz e amor para todos.


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente. Há um mar de pensamentos e você pode pescar um peixe que ninguém mais conhece. Assim são as palavras no mar do Umikizu!